Tag Archives: E.U.A

Barack Obama ordena encerramento de Guantanamo.

Barack Obama assinou hoje o decreto em que ordena o encerramento de Guantanamo

Num prazo de 1 ano, as portas de Guantanamo encerrarão, conforme promessa eleitoral aos americanos

Uma das promessas eleitorais feita por Barack Obama e que já está desde hoje em marcha e indo contra uma das políticas do seu antecessor George W. Bush, foi o assinar do decreto ( na sala Oval da Casa Branca), do encerramento de Guantanamo no prazo estabelecido de 12 meses, a partir da assinatura do decreto.

O presidente dos E.U.A.  já havia pedido a suspensão, durante 120 dias, dos julgamentos que acontecem em Guantanamo, com o objectivo de permitir a revisão das políticas e condições de detenção na prisão. E acrescenta que serão usados “meios legais” para tratar os detidos que não possam ser transferidos para outros países ou julgados em tribunais americanos.

Actualmente com cerca de 250 prisioneiros, Guantanamo foi aberta em 2002 durante a administração de George W. Bush, como fazendo parte da “luta contra o terrorismo”, depois dos atentados do 11 de Setembro de 2001.

Em 2006 são criados os “Tribunais de Excepção” para serem julgados os prisioneiros de Guantanamo, e novas medidas foram tomadas pelo presidente em que modifica as regras de detenção e de interrogatório da CIA, definidas no Manual de Terreno do Exército.

A última revisão desse manual A.F.M. (Army Field Manual) foi feita em 2006, e ficou definido que pelas novas regras são proibídas nas técnicas de interrogatório, qualquer tipo de golpes, ameaça com animais (nomeadamente cães) para assustar os prisioneiros, electrocução e simulação de afogamento, técnicas estas consideradas tortura pelas organizações de direitos humanos.

Barack Obama também impôs que os E.U.A. se adaptem à Convenção de Genebra sobre as prisões.

É caso para se dizer que o novo presidente já meteu mãos-à-obra, e não se fez esperar muito em tomar de imediato resoluções que já vinham sendo previstas aquando do sua candidatura à presidência.

Aguardemos então pelas próximas resoluções de Barack Obama nestes seus primeiros dias como presidente.

casper™

Userbar Makers Portugal


Barack Obama presta novo juramento.

Barack Obama teve de repetir juramento

O presidente do Supremo Tribunal John Roberts, trocou a ordem de palavras do juramento, induzindo B. Obama em erro

Quem seguiu pela televisão, via internet ou por qualquer outro meio de comunicação à tomada de posse de Barack Obama como presidente dos E.U.A. , teve a oportunidade de reparar numa pequena hesitação durante o acto de juramento do ex-senador do Illinois (que já levaria mais que memorizado as palavras que iria ter que proferir no momento de jurar perante a nação americano e o mundo), e que a mim me pareceu por manifesto nervosismo devido à importância do acto em si. Podem ver o vídeo no final do artigo anterior, aqui.

Pois bem tal hesitação deveu-se ao facto de o presidente do Supremo Tribunal, John Roberts, ter trocado a ordem das palavras induzindo assim em erro (e daí o visível “engasgar”) Barack Obama.

Ainda ontem ( 21/Janº/2008 ) o presidente fez questão de repetir as palavras solenes na “Sala dos Mapas da Casa Branca”, perante um reduzido número de personalidades, apesar de o responsável pelos assuntos jurídicos, Grega Craig, ter afirmado que o primeiro juramento que havia sido feito era considerado válido e vinculativo à luz da Constituição Americana.

Citando o próprio G. Craig:

«(…) o juramento está inscrito na Constituição. Por mera precaução, já que uma palavra estava deslocada, o presidente do Supremo Tribunal procedeu à prestação do juramento pela segunda vez».

De referir que não houve câmaras de televisão a testemunhar este acto que durou cerca de 30 segundos, e que só existe fotografias e áudio para comprová-lo.

casper™

Userbar Makers Portugal


Novo Presidente E.U.A. – Já é oficial e histórico.

Barack H. Obama já é oficialmente o 44º presidente dos E.U.A.

Cerimónia de tomada de posse acompanhada por milhões de pessoas em todos o mundo

Depois de bastantes dias sem vir actualizar o blog por manifesta falta de tempo, depois de imensos assuntos do interesse público e essencialmente de nível nacional (que é o que nos interessa acompanhar, não descurando os acontecimentos de nível internacional), em que poderia abordar neste artigo tais como e por ordem totalmente aleatória, “Caso Casa Pia”, “Caso B.P.N.”, “Caso Banco Privado”, “Braço de ferro de Professores versus Ministra da Educação”, “A grave crise económica que atravessamos” (que muitos teimam em dizer que é reflexo da actual crise mundial mas que já vem bem de trás, e como é óbvio agravou-se ainda mais com a crise que se reflecte em quase todo o mundo).

Decididamente julgo que não vale a pena fazê-lo, basta para tal consultar os muitos blogs do WordPress que dedicaram artigos a estes assuntos, para se inteirarem de todos estes casos e mais alguns, que não referi  nem abordei durante este tempo de ausência no blog.

O que me faz voltar aqui e perder algum do pouco tempo disponível que tenho actualmente, e é que quase como uma obrigação deixar como  um marco histórico aqui no blog, como é fácil de perceber, foi a tomada de posse do novo presidente dos E.U.A., o qual dediquei alguns artigos às eleições e aos candidatos finais à presidência da maior potência do mundo (muito fragilizada actualmente pela desastrosa administração do presidente cessante George W. Bush).

Não vou deixar aqui uma quantidade interminável de videos referente às cerimónias realizadas da tomada de posse de Barack Obama, nem do primeiro discurso oficial como presidente já que podem ver o discurso no Youtube pesquisando por Barak Obama Speech e claro está, dividido por vários videos.

Quanto às expectativas que estão a ser criadas em torno do homem mais poderoso do mundo, em relação ao enorme e grandioso trabalho que tem pela frente, julgo que muitos pensarão que ele tem uma varinha mágica e com 2 toques de magia, endireitará de imediato a grave crise económica mundial e que resolverá outros problemas em “dois tempos”, é pura ilusão e desenganem-se os mais crédulos nesta teoria, porque enquanto a grave situação interna dos E.U.A. não for ultrapassada (desemprego, saúde, sector imobiliário, sector automóvel serão as prioridades da nova administração), os efeitos da crise não deixarão de se fazer sentir no resto do mundo.

Citando Obama no seu discurso inaugural:

“(…) A nossa economia está muito enfraquecida, como consequência da ganância e irresponsabilidade da parte de alguns, mas também por todos nós não termos conseguido preparar uma nova era.”

“(…)as casas perdidas, os empregos desaparecidos e os negócios destruídos.”

“(…)Hoje, admitimos que os desafios que enfrentamos são reais. São graves e muitos. Não serão resolvidos num curto espaço de tempo. Mas a América vai superá-los.”

“(…)A partir de hoje, temos de nos levantar e começar a trabalhar para refazer a América.

A nível externo, tem como prioridades definidas a retirada das tropas americanas estacionadas no Iraque (guerra contra a qual foi sempre contra) num prazo de 16 meses, nomeação imediata de um mediador para o conflito Israelo-Palestiniano, encerramento da prisão de Guantánamo (por claras violações contra os direitos humanos), intervenção militar no Afeganistão (cerca de 20 a 30 mil soldados irão ser enviados para o território), e o grande desafio (considerado pelo próprio) sobre o programa nuclear do Irão, que poderá desencadear uma corrida nuclear por parte de outros países do médio-oriente, a nível ecológico, a tentativa de redução de emissão de gases para o ambiente em 80%.

Tem este homem (e como é obvio toda a sua administração) um enorme peso nos seus ombros e em que milhões de pessoas depositam a sua esperança e confiança num futuro melhor para o planeta.

Em traços sintéticos, deixei então o essencial da tomada de posse do primeiro presidente negro dos E.U.A., e termino o artigo com este vídeo que é para mim (juntamente com o seu primeiro discurso oficial como presidente), o mais importante e histórico de todo o dia da tomada de posse, que é o seu juramento de desempenho de funções como presidente da nação norte-americana.

casper™

Userbar Makers Portugal

Barack Obama recebido por George W. Bush.

Barack Obama foi conhecer a sua residência a partir de 20 de Janeiro de 2009 e para os próximos 4 anos

Barack Obama foi recebido na passada 2ª feira na Casa Branca por George W. Bush em grande ambiente de cordialidade, testemunhado por fotógrafos e câmaras de televisão.

Prevê-se que até à data em que irá ocupar a residência oficial do presidente dos E.U.A., Obama e a sua equipa irão tentar uma inversão completa das políticas de Bush, apresentadas durante toda a campanha eleitoral como “políticas de fracasso”. Por seu lado a actual administração trabalha no sentido de preservar o legado dos anos Bush, sobretudo no âmbito da política interna.

(O video é de uma estação de televisão americana, pois não consegui encontrar em nenhum dos canais de televisão portugueses que fizessem referência a este assunto).

Vodpod videos no longer available.

casper™

Userbar Makers Portugal

Eleições Americanas – Dia “D”.

Terminado o tempo de campanha eleitoral dos principais candidatos à sucessão de George W. Bush em Washington, é tempo dos americanos irem às urnas e decidirem quem vai ser então o presidente para os próximos quatro anos.

As sondagens continuam a dar uma vantagem confortável a Barack Obama sobre John McCain, conforme última sondagem realizada pela CNN, em que Obama aparece com 51% dos votos, contra os 44% de McCain, e ainda com 5% de eleitores indecisos.

Nesta eleição, deve comparecer nas urnas um número recorde de americanos. Os últimos dados indicam que 73,5 por cento dos norte-americanos maiores de 18 anos (a percentagem mais alta desde 1920, em que as mulheres puderam começar a votar) vão escolher o próximo presidente, que porá fim aos oito anos de mandato de George W. Bush.

A imprensa norte-americana dá conta de alguns números curiosos: 153,1 milhões de norte-americanos inscritos para votarem esta terça-feira; o Partido Democrata ganhou 2,9 milhões de novos eleitores desde 2004, enquanto os republicanos diminuíram 1,5 milhões; 30 por cento dos eleitores já votaram, através do voto por correspondência e do voto antecipado, disponível em muitos estados.

O estado de Indiana será o primeiro a encerrar as urnas, o que acontecerá às 23 horas portuguesas. Uma hora depois, à meia-noite, será a vez dos estados de Florida e Virgínia. A partir dessa altura, e com uma diferença de meia hora, encerram as urnas dos outros estados considerados decisivos: Carolina do Norte, Ohio e Virgínia Occidental, às 00 e 30horas; Pensilvânia e Dakota do Sul à 01.00; meia hora depois o Arkansas; Colorado e Novo México às 02.00; e às 03.00 os estados do Iowa e do Nevada.

Temos assim aqui na Europa, uma longa noite para acompanhar o desfecho final destas mais concorridas eleições de sempre nos E.U.A., e que tanta e tanta tinta fizeram correr e ainda depois dos resultados finais oficiais mais farão correr.

casper™

Userbar Makers Portugal

Eleições Americanas – Entender todo o processo eleitoral.

Entender o processo eleitoral.

Entender o processo eleitoral.

Como se processa a eleição para a presidência dos E.U.A.

Eleição do presidente passa por várias fases

John McCain vs Barack Obama

John McCain vs Barack Obama

A 15 dias da eleição do novo presidente dos E.U.A. (04 de Novembro de 2008), e segundo as (*)últimas projecções, Barack Obama (Partido Democrata) leva uma ligeira vantagem sobre John McCain (Partido Républicano), mas isso só se confirmará em definitivo depois de contados os votos pelo Colégio Eleitoral, daí sairá o 44º presidente dos Estados Unidos.

Mas vamos por fases para melhor se entender como se chega à fase final das eleições americanas.

Eleições primárias

A temporada das eleições primárias começa em Janeiro e dura até Junho. Neste processo, os candidatos lutam dentro dos principais partidos – o Republicano e o Democrata – pela indicação para concorrer à presidência.

Eleitores em cada um dos 50 Estados americanos elegem delegados partidários que, na maioria dos casos, prometeram apoiar um determinado candidato. Para escolher os delegados, alguns Estados usam uma prévia, ou caucus – um sistema de reuniões políticas -, ao contrário de uma primária, que é uma votação por meio de folha de voto.

Qual é a diferença entre a prévias, ou caucus, e as primárias?
No caucus em Iowa os eleitores reúnem-se em casas, escolas e outros edifícios públicos em mais de 2 mil distritos em todo o Estado para discutir os seus candidatos e temas eleitorais.

Eles elegem, então, delegados para as convenções de condados. Estas convenções, por sua vez, elegem delegados para as convenções estaduais, de onde sairão os delegados nacionais.

No caucus democratas de Iowa, os eleitores dividem-se publicamente em grupos, reunindo-se em cantos diferentes de uma sala para manifestar seu apoio a diferentes candidatos, e os delegados são alocados de acordo com isso.

Eleitores nos caucus republicanos do Estado participam numa votação secreta, e os resultados é que vão definir a alocação de delegados.

O procedimento em caucus de outros Estados pode ser diferente de acordo com as suas leis estaduais.

Eleições primárias como as que se realizam em New Hampshire permitem que todos os eleitores registrados no Estado votem diretamente em seu candidato preferido.

Mas existem três tipos diferentes de primárias.

As primárias fechadas, os eleitores só podem participar da escolha do partido em que forem registrados.

As primárias abertas, um eleitor pode votar na primária de qualquer partido, mas só pode participar de uma.

Mais raras, existem ainda as primárias em que os eleitores podem votar nos candidatos dos dois partidos.

Neste ano, as primárias e caucus começaram mais cedo do que o de costume porque os Estados entraram numa corrida para se tornarem os primeiros a ter votações.

O Estado de Iowa tradicionalmente dá início à temporada com seu caucus, seguido, uma semana depois, pelas primárias de New Hampshire.

A eleição presidêncial

A eleição presidencial americana é realizada sempre na primeira terça-feira depois da primeira segunda-feira de Novembro. Este ano será a 4 de Novembro.

O processo eleitoral consiste na escolha de membros para o Colégio Eleitoral dos Estados Unidos.

Tecnicamente os eleitores não participam de uma eleição directa. São escolhidos “eleitores” que se comprometem com um ou outro candidato e formam um Colégio Eleitoral.

O Colégio eleitoral dos Estados Unidos da América: é o colégio eleitoral que escolhe o Presidente dos Estados Unidos da América no final de cada eleição presidencial americana.

O Colégio eleitoral americano foi estabelecido pelo Artigo Dois, Secção Um da Constituição dos Estados Unidos da América. O colégio encontra-se a cada quatro anos com eleitores de cada Estado.

Cada Estado possui direito a um certo número de colégios eleitorais, número que varia de acordo com sua população. Estes colégios eleitorais são distritos eleitorais que dividem um dado Estado. A população destes colégios elege o presidente do país. Após a votação, um dado candidato vence a eleição num dado colégio eleitoral caso tenha pluralidade de votos neste dado distrito. Há no total 538 colégios eleitorais. Um candidato vence a eleição presidencial caso tenha uma pluralidade de colégios eleitorais – mesmo que tenha um número total de votos menor do que outro candidato concorrente (como aconteceu por diversas ocasiões, a última na Eleição de 2004.

O candidato que tiver mais votos no Colégio Eleitoral (pelo menos 270 votos) será escolhido como 44º presidente dos Estados Unidos. Se nenhum candidato receber a maioria dos votos no Colégio Eleitoral, o presidente-eleito será escolhido numa votação da Câmara de Representantes dos Estados Unidos da América.

casper™

Userbar Makers Portugal

(*) O democrata Barack Obama está com 8 pontos de vantagem sobre o republicano John McCain a duas semanas das eleições presidenciais norte-americanas, revela hoje (21/Outº/08) a sondagem diária C-SPAN/Zogby.

Obama tem 50% das preferências dos prováveis eleitores, contra 42% de McCain.

A vantagem aumentou em relação aos 6 pontos percentuais com que Obama contava na segunda-feira.

A pesquisa, feita junto de 1.214 pessoas, tem uma argem de erro de 2,9 pontos percentuais.

«Foi outro grande dia para Obama», disse o especialista em pesquisas John Zogby. «As coisas estão claramente a mover-se na direcção de Obama».

Foi o segundo dia seguido que o democrata ganhou terreno em relação a McCain, no momento em que os dois candidatos chegam à recta final antes das eleições de 4 de Novembro.

Obama, senador pelo Illinois, aumentou a sua vantagem entre grupos-chave do eleitorado norte-americano. Tem agora 15 pontos de vantagem entre os indepedentes, contra 11 no levantamento anterior. A sua aceitação entre o eleitorado feminino aumentou de 8 para 13 pontos.

Tentou vender sede da FAO e Embaixada dos EUA.

Quando foi detido, vigarista já tinha fechado venda, e recebido 650 mil euros, de dois grandes centros comerciais que nem sequer estavam no mercado

Um alemão foi detido pela polícia italiana por várias fraudes, entre as quais a tentativa de «venda» dos escritórios da agência da ONU para a Agricultura e Alimentação (FAO) e o edifício da embaixada dos Estados Unidos em Roma.

A imprensa italiana deste domingo dá destaque a este assunto, referindo que contra Wolfang Kroll, 57 anos, impendia uma ordem de captura internacional emitida pela justiça alemã por fraude e utilização de falsos documentos.

Na altura da detenção, a polícia descobriu que o vigarista já tinha fechado a venda a uma grande agência imobiliária com sede no Mónaco de dois grandes centros comerciais em Itália, um em Roma e outro em Milão, que nem sequer estavam à venda e pelos quais já tinha embolsado 650 mil euros a título de adiantamento.

Nesta transacção, era dada à imobiliária do Mónaco a opção de compra da sede da FAO e do edifício da embaixada dos Estados Unidos na capital italiana.

O vigarista alemão fazia-se passar, com falsos documentos, por emissário do Ministério do Interior italiano, responsável pela venda de propriedades do Estado.

casper™

Userbar Makers Portugal